Eneaotil

Futebol dos sonhos

Chegou pela agenda escolar do Luquinhas um convite para os pais assistirem o futebol na última segunda-feira. Até então, eu tinha que ficar esperando acabar a aula debaixo da escada e só conseguia ouvir uma última rodada de perguntas, que meu filho sempre foi muito bom em responder porque a sua pilantragem capacidade intelectual é invejável. Como o Lucas não tem a menor vergonha na cara e seus coleguinhas são tímidos, ele sempre ouve a resposta baixinha do amiguinho e grita bem alto como se tivesse sido o primeiro a responder.

– Meus parabéns, Lucas – diz o professor.

Enfim, eu nunca pude ver a habilidade do meu filho com a bola desde que ele entrou nas aulas de futebol, embora pudesse imaginar. Porque a minha família tem uma tradição em fazer algo mil anos e continuar péssima naquilo. Por exemplo: eu jogo sinuca há uns 6 anos e continuo um fracasso completo. Meu primo toca guitarra há 15 anos e nunca conseguiu fazer parte de uma banda. Meu irmão joga videogame desde antes do Atari e, muito provavelmente, nunca chegou ao final de um jogo. Se minha mãe começar a tricotar um cachecol para mim ela terá o que fazer a vida toda. Meu pai até hoje não terminou de ler Meu pé de laranja lima. E minha cachorra tinha tanta preguiça de morrer que viveu 17 anos.

***

O bilhete dizia:

“Senhores pais, vocês estão convidados para assistir “O Futebol dos Sonhos” com as crianças do pré III e da primeira série. Compareçam na unidade G2, segunda-feira, às 17h50″.

Eu cheguei lá pelas 18h10 porque pontualidade também nunca foi o meu forte. O Lucas já fazia um aquecimento, chutando uma mini bolinha e eu achei um tremendo avanço porque bola e pé nunca deram certo para ele.

Meu filho recebeu um colete azul junto com outros cinco amigos: um porquinho, um outro corinthiano, dois bambizinhos e um tão inexpressivo que nem lembro que camisa vestia. Todos da primeira série. E o time foi jogar contra a equipe laranja, formada pelos pequenininhos do pré III. Uma completa covardia.

Logo na saída, meu filho tomou uma entortada de um menininho de 4 anos que o deixou completamente sem reação. O resto foi um total pesadelo, mas ele pareceu estar se divertindo. Eu não parei de incentivar um só minuto na arquibancada:

É isso aí, filhão!!!! Mostra que você não é tão ruim assim!! Cala a boca da mamãe!!! Vai Corinthians!!!

***

Depois de mais duas partidas incríveis do mais puro futebol arte, o professor deu o exercício final. Entregou uma bolinha para cada criança e explicou que elas teriam que chutá-la até um gol, levá-la até o outro gol e balançar a rede novamente. Isso seis vezes.

Lucas esqueceu que eu estava na arquibancada, olhando apenas para ele e achou que ninguém o observava. Aproveitou a muvuca de crianças jogando todas ao mesmo tempo, segurou a bola com as mãos, foi até o gol e arremessou-a, tipo o Maradona. Olhou em volta, viu que o professor não tinha visto e gritou:

– GOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOLAAAAAAAAAAAAAAAAAAAÇO!

Segurou a bola de novo, correu até o outro gol e fez mais um golaço. Com as mãos.

E o pilantra só fez isso cinco vezes.

***

Na volta para casa:

– Lucas, existe um esporte próprio para fazer gols com as mãos. Chama-se Handball, sabia?

– Ah é, mãe? Legal.

– E do jeito que você é bom nisso, poderia ser o artilheiro da seleção brasileira de handball.

Foi aí que ele percebeu que eu tinha visto tudo. Me olhou fixo nos olhos e chorou. De tanto rir.

22 comentários em “Futebol dos sonhos

  1. Rose, a mãe citada
    8 maio, 2008

    Nem vou te desmentir nada, pois é uma grande verdade, se eu começar a tricotar levarei séculos, pois não sei fazer tricô…e sei q nunca vou aprender…Agora, tirando todos os seus exageros, eu tenho várias habilidades…não lembro de nenhuma agora, mas sei q tenho…

  2. Rose, a mãe citada
    8 maio, 2008

    Nem vou te desmentir , pois é uma grande verdade, se eu começar a tricotar levarei séculos, pois não sei fazer tricô…e sei q nunca vou aprender…Agora, tirando todos os seus exageros, eu tenho várias habilidades…não lembro de nenhuma agora, mas sei q tenho…

  3. Leonor
    8 maio, 2008

    Comentar uma vez só no blog não é uma delas!

  4. Rose, a mãe citada
    8 maio, 2008

    bem, vou começar a enumerar as minhas habilidades:
    todas na cozinha
    faço salgadinhos de festa q são divinos…
    fazer pizza em casa, é comigo mesmo!!!
    e o melhor de tudo…sempre fazendo pra sobrar comida prum batalhão e achando q não vai dar tempo…pq será?

  5. Jan
    8 maio, 2008

    Leonor, me empresta sua mãe?

  6. Rodrigo
    8 maio, 2008

    Talvez o menino tenha talento para escritor.

  7. Fabrício-Z/S
    8 maio, 2008

    Pode apostar no futebol não é somente os goleiros que usam as mãos.

    Os gandulas tb hehehehehe

  8. MaWá
    8 maio, 2008

    “Bota o menino no judô!”

  9. Rach
    8 maio, 2008

    O Lucas me faz repensar a idéia de não ter filhos viu … Molequinho bacana esse!!! Pode ser ruim de bola … mas rende altas histórias … Se for tão bom para contá-las quanto você … poderá ser mais um duro e feliz jornalista no mundo!!!

  10. Godoy
    8 maio, 2008

    Vê-se que garoto é inteligente, portanto não vai seguir o time da mãe.

  11. Filipe
    8 maio, 2008

    Moleque esperto. Só podia ser Corinthiano.

  12. ohshedo
    8 maio, 2008

    aaah, quando eu tiver filhos quero um espertinho assim *-*

  13. Júlio
    8 maio, 2008

    Eu ensino o Luquinhas a jogar bola…

    *engasga*

    Tá, ensino ele a jogar Lego Star Wars… hahahahaha

    E pô, Dona Rose é cracaça na cozinha e em contar histórias engraçadas! \o/

  14. Táta (facul)
    8 maio, 2008

    O Lucas é incrível… Sinto cada vez mais vontade de ter uns três filhinhos…
    Beijos

  15. papis
    9 maio, 2008

    Leonor não vou lembrar o calhamaço de Elias Canetti que eu estudei ( não apenas li ) para você e o Julio tirar 10 na facul. Alias o livro estava tão dificil de entender que tive que olhar o cachorro e me inspirar para resolver a questão. O cachorro nosso também é um primor de dissimulação.

  16. Alf
    9 maio, 2008

    E aí, Lelê?

    Ontem escontrei o Luquinha Hands on e o seu pai em uma bumba, na Alfonso Bovero. O Faustão disse: olha aí, Lucas, mais um que conhece a sua mãe. Andas popular, heim? Quando vamos tomar umas?
    A propósito: melhor abrir uma CPI para verificar o que andam ensinando nessa escola.

    Bjão!

  17. wawa
    9 maio, 2008

    Se o luquinhas vai ganhar muito dinheiro com hand ou fut, não importa, ele é gato e esperto.

    CONGELADÍSSIMA.

  18. deixa
    10 maio, 2008

    Adoro família Trapo!

  19. Vivyan
    12 maio, 2008

    Meu Deus quando comecei a ler, eu, na minha nobre inocência, pensei que fosse uma histórinha , quando percebi que era uma “História” real … fiquei passada!!!
    Pensei que meus filhos fossem crianças criativas, hiper ativas, mas depois do Luquinhas, percebo que meus filhos são crianças meigas … hahahahaa

  20. Ricz
    12 maio, 2008

    Lelê… cada episódio do Lucas que eu leio me faz repensar meu objetivo de não ter filhos… ;)

  21. Tiago
    12 maio, 2008

    uahuahuaha !!!
    Um dia terei um desses…

  22. Déia
    13 maio, 2008

    futebol americano seria uma boa opção, usa as mãos e não deixa de ser futebol…rs

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Informação

Publicado às 8 maio, 2008 por em Sem categoria e marcado , .
%d blogueiros gostam disto: