Eneaotil

Luquinhas no hospital – Parte II

Emagreci 3 quilos no tempo em que o Lucas ficou no hospital. Vejam bem: 3 kg em 6 dias. Eu deveria aparecer na capa daquelas revistas Dieta Mais, Boa Forma, dando a receita do meu sucesso: “foi tão simples. Meu filho de 6 anos teve um derrame no pulmão esquerdo e eu fiquei sem comer e sem dormir por alguns dias”. Claro que emagrecer foi a parte boa de tudo isso e eu agradeci muito ao Luquinhas depois, porque juro que estava tentando perder uns quilinhos há uns bons 12 meses.

Mas não comer e não dormir não foram opcionais. Vieram no pacote das preocupações, das angústias, da parte mais difícil de ser mãe. Do nó que fica na garganta, do bolo no estômago, da comida não digerida desde o momento em que a médica anunciou o derrame no pulmão. E das enfermeiras maníacas que te acordam de meia em meia hora na madrugada para a inalação, o antibiótico, o antiinflamatório, o digestivo, o corticóide, bater um papinho, falar da novela, te contar do casamento da Sandy.

**
O plano de saúde do Luquinhas é um plano muito bom e justamente por isso arranjaram um quarto para ele na maternidade. Caso contrário, era bem capaz de sermos transferidos de hospital comigo levando o Lucas de cavalinho e o pobre do garoto assoprando dentro de um saquinho de pão para conseguir oxigênio. O seguro nos deu direito a ficarmos em um quarto cujo horário de visita começava às 8h da manhã e terminava às 21h.

Às 8h da manhã do sábado meus pais entraram pela porta daquele quarto carregados de doces, revistinhas, brinquedos, além do videogame do Luquinhas, vários jogos, uma porção de DVDs, roupas limpas, agasalhos, a pantufa de tigrinho do meu filho, enfim. Tudo o que avós como meu pai e minha mãe conseguiriam carregar, além do coração apertado.

Lá pelas 9h, o pai do Lucas chegou com a namorada Thaís, também carregando mais um quilo de chocolate, um super trunfo e ainda mais revistas e mais preocupações. O Lucas fez um tour com todo mundo pelo quarto, apresentou o banheiro chiquérrimo, a geladeirinha, mostrou as funções da cama e disse como estava adorando tudo aquilo e como gostaria de morar no Hospital São Camilo pelos próximos anos.

**

Na primeira visita da médica, a previsão de alta ainda era bastante incerta:

– Para sair daqui, o Lucas precisará eliminar todo o líquido do pulmão esquerdo. Até terça-feira, no mínimo.

Longos dias.

**

Consegui ligar para meia dúzia de amigos, mandei meia dúzia de mensagens, avisei minha chefe, falei com a família. E concluí que a palavra derrame choca mais do que um palavrão cabeludo pronunciado por um padre durante uma missa.

**

Os remédios do Lucas eram todos intravenosos e durante os primeiros dias ele teve de tomar penicilina. Ação: penicilina queima. Reação: Lucas grita.

– Doeu pra cacete!
– LUUUUUUUUUUUUUUUUUCAS!
– Ai, desculpa. Mas é sério, mãe. Doeu pra cacete mesmo.
– Tudo bem…

Bom, se a gente não vai liberar os palavrões para os nossos filhos nessas circunstâncias, quando é que vamos fazê-lo, né?

**

Quando a fisioterapeuta entrou no quarto, Lucas olhou para a sua foto do crachá e disparou:

– Nossa, você está muito mais feia hoje do que quando tirou esta foto. O que aconteceu?

Eu queria me enfiar debaixo daquele sofá marrom e nunca mais sair.

**

O principal problema de ficar na ala da maternidade foi a falta de tato de algumas enfermeiras para lidar com criança. Elas estão acostumadas a cuidar de mãe, que é o que sobra da mulher depois que ela sai da sala de parto. Mas uma, em especial, merece todo o meu empenho no Kung Fu, rumo à faixa preta. Juro, fiz até respiração cachorrinho para não dar um faca do pé na mulher.

Veja bem, o Lucas estava tomando remédios fortíssimos na veia e doía. Então, bastava uma enfermeira entrar no quarto para que ele entoasse o mantra do Aiai Uiui, seguido de uma manha incrível, mas, assim como o palavrão, as manhas estavam liberadíssimas durante o tempo do hospital. A hora do remédio era o único momento em que Luquinhas lembrava que não estava em um acampamento de férias.

– Aiai, está doendo, está doendo…
– NÃO ESTÁ DOENDO! – disse, delicadamente, a babá do Hitler a enfermeira Mônica.
– Não está doendo porque não é em você – tive de intervir, ué.
– Lucas, com essa manha você vai acordar todos os bebezinhos da maternidade – ela chantageou.

Cadê o palavrão, Luquinhas?

– Nós queríamos uma vaga na pediatria. Foram vocês que nos colocaram aqui na maternidade – respondi pelo Lucas mais uma vez.
– Mas na pediatria também tem bebezinhos – falou a enfermeira.
– Só que o Lucas não seria a única criança a gritar, tenho certeza.

Bom, é claro que quando todos saíram, às 21h, essa mulher me fodeu. Era ela a enfermeira do plantão da madrugada de sábado para domingo e eu não pude pregar os olhos a noite toda. Ela não deixou e sequer teve a dignidade de vir conversar comigo sobre o casamento da Sandy.

**

Às 21h30 do sábado, com o Lucas já dormindo, apaguei a luz e capotei. Comecei a sonhar com o Ivan quando, dez minutos depois, a Rebecca de Mornay acendeu uma luz na minha cara. Eu abri os olhos e vi aquela cara em cima da minha dizendo:

– Vou colocar o antibiótico no Lucas e você não vai poder dormir até parar de pingar.

Meu coração saltou pela boca. Nessa cena só faltou a faca na mão direita da enfermeira e ela segurando a cabeça do Lucas com a mão esquerda. Juro que rolou até uma risada malévola no final da frase e eu me belisquei cem vezes para ver se não estava tendo um pesadelo.

Olhei gotinha por gotinha e o remédio parou de pingar lá pela meia noite. Desliguei a luz e consegui dormir por meia hora, mais ou menos. Perto de uma hora da manhã, senti tapinhas em minhas costas. Era a maldita:

– Segura a inalação para o seu filho?
– Segura na minha e balança?

Não, gente, não falei. Eu só pensei.

**

Meus amigos são incríveis e o domingo ficou agitadíssimo lá no hospital. Durante o dia todo, ficou um entra-e-sai de gente e de presentes e de chocolates naquele quarto. Se a gente tivesse feito uma pesquisa Ibope para saber quem era o mais prestigiado daquele andar, o Luquinhas teria ganhado disparado de qualquer outra mãe recente e seu pequeno feto.

– Tio, isso aqui está o máximo. É tipo o meu aniversário. Todo mundo que vem aqui me traz um presente – ele contou para o meu irmão pelo telefone.

**

Quando avistei pelo hospital uma placa escrita “INTERNET”, dei um twist duplo carpado de tanta felicidade. Eu estava há dois dias sem ver o meu e-mail e precisava urgentemente de algum contato com o mundo exterior para além do as enfermeiras me contavam.

Cheguei naquilo que o Seu São Camilo chamava de internet e eram quatro computadores 386, sem absolutamente nenhum sinal de conexão. Tinha um interfone lá, que parecia ser o tal do contato com o mundo exterior. Fiquei pensando que do outro lado um menino com conexão ia atender, ia perguntar qual site nós queríamos que ele acessasse:

– Por favor, o gmail.
– Qual é seu login e senha?
– Bláblábláblá.
– Você tem 175 novos e-mails.
– Leia para mim os e-mails de números primos, então.

Foi quase isso.

– Bom dia, informática.
– É da informática? Como eu faço para conectar a internet nessa carroça?
– Estamos sem internet desde quinta-feira, minha senhora.
– Tem previsão de quando volta?
– Não temos previsão, senhora.

Meu deus, será que alguém ia conseguir me dar previsão de alguma coisa nesse hospital?

– Então vou perguntar para a médica se ela tem alguma previsão de quando a internet volta. Mas será que você poderia me dizer que dia que meu filho terá alta?

Não perguntei para ele, mas deveria ter perguntado, né?

**

No fim da tarde, aproveitei que o quarto ainda estava cheio de amigos e decidi ir para a casa por uma hora, para tomar um banho decente sem nenhuma cortina de plástico escrita São Camilo grudando na minha bunda, conseguir acessar meus e-mails e comer alguma besteira. E o Seu São Camilo tinha me mandado alguma maldição porque em casa também não tinha conexão. Mas tinha água e uma caixa de Chicken Pop Corn. Chupa essa manga, Seu São Camilo!

**

Na noite de domingo, Luquinhas foi transferido para um quarto na pediatria. Lindo de verdade, pintadinho em tons pastéis, uma TV de tela plana, um sofá laranja, uma poltrona moderna daquelas que esticam os pés, um banheiro super equipado e até uma varandinha para receber as visitas. Agora quem queria morar ali era eu.

**

Lá pelas duas da manhã de domingo para a segunda, eu olhei a mão do Lucas onde estava o catéter e vi que ela tinha se transformado em um panetone, graças a deus sem as frutas cristalizadas. Chamei a enfermeira correndo, que nem nos filmes:

– Somebody help meeeeeeeeeeeeeeeee!

Mostrei a mão do Luquinhas (ambos estavam dormindo) e a reação dela não foi das melhores:

– Minha nossa! Perdemos a mão.

Quase desmaiei.

– Q-QUE????
– Quer dizer que vamos ter que tirar o catéter dessa mão e colocar na outra. Essa veia já não agüenta mais nada.

E eu já pensando em amputação.

– Na hora do antibiótico eu venho para furar a outra veia do seu filho.

Olhei o Lucas ali, dormindo, sem saber o que estava acontecendo, sonhando com alguma coisa boa e nem imaginando que ia ter que furar a outra mão logo mais. Pedi desculpas.

Às 5 da manhã, Luquinhas acordou sobressaltado:

– O que vocês vão fazer?
– Desculpa, filho, mas a enfermeira vai ter que colocar o catéter na sua outra mão.

E foi assim que o Lucas acordou todos os bebezinhos da pediatria e da maternidade também. Chupa essa manga, enfermeira Mônica!

**

Durante a semana, as visitas diminuiram porque esse é um país sério e quase ninguém trabalha em ONG. Os dias ficaram mais longos, comigo acessando a internet do celular de cinco em cinco minutos, Luquinhas tentando comprar personagens novos no Lego Star Wars e meus pais tentando achar algum programa decente na TV a cabo.

De segunda à sexta-feira, das 14h30 às 16h, funciona no hospital uma brinquedoteca. Luquinhas ficou sabendo disso e lá pelas 9h da manhã começou:

– Falta muito para as 14h30?
– Sim.

Cinco minutos depois:

– E agora?
– Sim.

Mais cinco minutos depois:

– E agora?

Juro, lá pelas 11h eu estava com vontade de me atirar da varandinha.

**

Na terça-feira, eu comecei a arrumar tudo na expectativa de que o Lucas seria liberado, mas a médica disse que ainda havia água em seu pulmão e que teríamos que ficar por mais um tempo. Talvez um dia, talvez mais. Eu quis sentar e chorar. Na hora da brinquedoteca, deixei o Lu com meus pais um pouco e saí pela Alfonso Bovero. Comprei o filme Debi & Lóide e voltei toda empolgada para assistir com meu filho.

– Lucas, comprei um filme para vermos. Mas é de adulto!
– Tem mulher pelada? – os olhinhos dele brilharam.
– Não, acho que não. Não me lembro.

Não tem mulher pelada, mas o fato de eu não lhe dar certeza de que não tinha o encheu de esperança e o fez ficar vidrado no filme do começo ao fim. Já descobri como fazer então da próxima vez.

**

– Não quero ir embora, mãe.
– Lucas, você quer ir embora!
– Não quero. Em casa não tem uma brinquedoteca.
– Lucas, em casa tem um trilhão de brinquedos.
– Mas isso não é uma brinquedoteca.

O Lucas, em boa parte do tempo, é muito inteligente. Mas tem vezes que é burrinho demais.

**

Na quarta-feira, a médica passou bem cedinho no quarto e deu alta para o Luquinhas. O pulmão ainda tinha água, portanto o tratamento fora do hospital continua. Apesar da brinquedoteca, o Lucas comemorou a alta. Ganhou mais dois dias de folga na escola, o que fez com que os gritos de “VIVA” e “HIPI HIPI HURRA” ficassem ainda mais altos. Eu voltei no dia seguinte para o trabalho, mas dormi a tarde toda de quarta-feira, sem nenhuma enfermeira para me dar tapinha nas costas de meia em meia hora. É bom estar em casa.

**

Dia desses, antes de dormir, perguntei para o Lucas:

– Cinco lugares onde você queria estar agora, filho.
– Parque, praia, piscina, shopping e hospital.

Putaquel. Morri.

**

Ver o filho doente nunca é fácil, mas em um caso desses é difícil pra caraleo. E, muito provavelmente, eu estaria chorando naquele sofá marrom até agora se não fosse a ajuda de algumas pessoas, além do pensamento positivo, das rezas e da torcida de muita gente. Por isso, agradeço especialmente:

Ao Luquinhas, esse menino forte e corajoso, que me ensina um monte de coisas novas todos os dias, mas a principal delas é saber olhar a vida com olhos cheios de alegria. Tenho muito orgulho em ser a mãe do menino mais legal do mundo.

Aos meus pais, que são os avós que todo mundo deveria ter tido na vida e que estiveram lá comigo todos os dias, das 8h às 21h, no horário que lhes era permitido (e tenho certeza de que se pudessem, eles dormiriam por lá e acordariam todos os dias do meu lado e do lado do Luquinhas, mesmo que tivessem só uma almofadinha laranja para apoiar a cabeça na parede).

Ao meu irmão, que ligou todos os dias, mas tenho certeza que se morasse aqui estaria no hospital o tempo todo também (junto com a Ira).

Ao Ricardo (pai do Lucas) e à Thaís (mãedrasta), que também ficaram por lá pelo tempo que puderam, cuidaram do Lucas e de mim, e fizeram com que o meu carinho pelos dois só aumentasse.

Ao Ivan, namorado lindo que me ligava de cinco em cinco minutos para saber se estava tudo bem. Se preocupou, cuidou de mim e me devolveu a chance de sonhar e planejar um futuro tudo de novo.

Aos meus tios e primos que também estiveram por lá e encheram o Lucas de carinho e chocolate. À Silvia e ao Reinaldo também.

Aos melhores amigos do mundo: Júlio, Silveira, Daygo, Maurício, Elaine e Amber, que jogaram videogame com o Luquinhas, levaram presentes, histórias divertidas, papo furado, colo, cafuné, risadas, livros repetidos (até eu ganhei presente) e trufas.

Ao Gravataí, que também me ligou uma centena de vezes para saber do Luquinhas.

Aos e-mails, ligações e comentários de: Débora, Erika, Teka, Wawa, David, Amanda, Tatá, Laryssa, Ruy, Gabriela Barreto, Adriano, Ju Saad, Nat, Mandioca, Jú, Renata, Filipe, Vanessa, Marília, Bruno, Juju, Wladimir, Ana Carol Moreno, Carol, BZ, Uli, Paula Mirella, Rozzana, Felds, Gisele, Orlando Carvalho, Bruno Ribeiro, Fabrício Vicentim, Andrea Nunes, Ulisses Adirt, Bruno Mazzotti, Eduardo Sena, Leo Giardini, Érica Santos, Aline Cortes, Diego Jock, o pessoal da academia de Kung Fu, ao Gabriel Louback, Marcelo Nóbrega, ao Fabrício Z/S, Mayara, Samuel, Danilo Prates, Leo Godoy, Dani Doduti, Ana Bia, Beth, Pati Carvoeiro, Paulinho, Fábio, Zander, Jô, Carol Canossa, Carol Souza, readymymind (cujo nome eu não sei, desculpe), Adriana, Vinícius, Mawá, Vanessa, Fabrícia, Dede, Rachel Juraski, Doris, Luciana, João Pedro, Bruninha, Emerson, Bia Levischi.

A todas as mensagens que chegaram via twitter (e que foram apagadas pelo tempo).

E a todo mundo que, de alguma forma, torceu a favor. Sem vocês, teria sido mais difícil.

35 comentários em “Luquinhas no hospital – Parte II

  1. Eric
    29 setembro, 2008

    A pergunta que fica é: a fisioterapeuta de fato estava mais acabada do que na foto?

    (Resp: Era sim, Eric. Esculachada a moça.)

  2. Ivan Neto
    29 setembro, 2008

    Só você para fazer uma experência punk como essa em algo agradável de ser ler.
    E que bom que foi só o susto (o Luquinhas já tá quicando de um lado pro outro pra provar isso)
    Amo você. E sou fã.

    (Resp: Eu te amo mais e sou mais fã. Ganhei!)

  3. Dani *Doduti*
    29 setembro, 2008

    “- Nossa, você está muito mais feia hoje do que quando tirou esta foto. O que aconteceu?”

    huahuahuahua

    Tive medo de passar por algo parecido no hospital hoje. O pediatra me parecia tão familiar! Qdo percebi com quem ele parecia, fiquei com medo do Lucas reparar também. O médico era a cara do Shrek!

    Passei a noite no hospital e imagino o que seja passar dias como vcs passaram.

    Morri de vontade de socar as enfermeiras cutucanto o bracinho dele pra achar a veia. Só foram achar na quinta tentiva ¬¬

    (Resp: Quinta tentativa??? Tadinho! Mas que bom que seu Luquinhas está melhor, Dani. E ter um pediatra com a cara do Shrek deve ser difícil. A médica que atendeu o Lucas parecia uma fotografia de cemitério. Beijo para os dois.)

  4. Ana Jansen
    29 setembro, 2008

    que bom que já tá tudo ótimo com o Luscas, não vou me sentir culpada por me rachar de rir! esse garoto é ótimo!

    tudo de bom pra vocês! =D

    (Resp: Ele é ótimo mesmo. Obrigada pelas mensagens de força, viu? Beijo enorme)

  5. anabsf
    29 setembro, 2008

    Lele, fiquei internada aos 11 anos por causa de uma bronquite mal-curada e ganhei muitos presentes, também. Fiquei num quarto só meu no hospital, todo mundo ficava me bajulando e eu ganhei tantas figurinhas para o álbum das Chiquititas que consegui completá-lo.

    Faz um seis meses, fui fazer uns exames e consulta (além de soro e medicação) no São Camilo, o do Ipiranga (é o mesmo?). O atendimento foi ótimo, mas também aconteceu com a minha mão o lance do panetone. Parece que é quando a agulha escapa da veia, ou a veia estoura. Minha mão ficou um tempão dolorida.

    E eu adoro seu filho. Ele é genial.

    (Resp: Figurinha, definitivamente, é algo que eu deveria ter pensado. O problema é que eu sou maníaca por figurinhas e não deixo o Lucas colar umazinha sequer, para não sair torto no álbum. Eu sei, é idiotice. O São Camilo Ipiranga é o mesmo da Pompéia e de Santana. Obrigada pelo carinho com o Lucas. Um beijo enorme.)

  6. ju saad
    29 setembro, 2008

    eu já te disse que eu te amo, né?
    ah, tá, putaquel.

    (Resp: Eu amo também e tô feliz que voltou para o Brasil. Café? Sushi? Que vamos fazer essa semana?)

  7. Fábio
    29 setembro, 2008

    Eu reafirmo o que escrevi na parte I: te admiro pela sua coragem e pela sua força. E pela sua humanidade – tem gente que acha que tem que ser de aço, enquanto você foi apenas mãe.
    Criança é espontânea mesmo, e essa é a parte legal que tenho saudade da minha infância. Ah, deixar registrado que Lucas já sabe desde cedo se um filme é bom ou não hahahaha.
    Parabéns pelo filho. E por ser uma mãe tão especial.
    Abraço

    (Resp: Ei, Fábio. Obrigada pela admiração e pelas palavras bacanas. É fácil ser uma mãe especial quando a criança é igual ao Luquinhas. Um beijão e volte sempre por aqui.)

  8. rnt
    29 setembro, 2008

    lagriminhas parte 2, lendo isso tudo.

    que bom que ficou tudo bem tudo bom tudo ótimo. vcs são 2 queridíssimos.
    ;*

    (Resp: Obrigada pelos comentários aqui e via twitter. E obrigada pela força. Beijão)

  9. dede
    29 setembro, 2008

    Lele,

    bom saber que o Luquinhas esta melhor.
    Parabens pela dedicacao e muitas felicidades para voces.
    Adoro saber das coisas que acontecem com vcs. Foram dias em que fiquei esperando ansiosamente por noticias.
    beijo,

    dede

    p.s. eu tb gostava de ver filme com mulher pelada na idade dele… a reacao era bem semelhante ;]

    (Resp: Você sempre deixou seus comentários carinhosos por aqui. É um leitor muito querido. Obrigada pelo carinho a todo momento. Beijos)

  10. nat
    29 setembro, 2008

    Lele, você faz parte de um seleto grupo de pessoas altamente sortudas que além de ter uma penca de amigos e pessoas apoiando, teve uma ‘companhia’ (embora você que tenha sido a acompanhante) incrível em um momento que usualmente é difícil (ou, muito mais difícil do que foi).

    Acho que algumas coisas – como o lance da informática – você simplesmente TINHA que falar!

    Beijo pros dois =]

    (Resp: Sei bem dessa sorte que você está falando. O Luquinhas é a melhor companhia do mundo para todas as horas, até essas de hospital. Fiquei com receio de falar alguma coisa e até o cara da informática entrar no quarto de madrugada para me dar tapinhas nas costas de meia em meia hora. O hospital é católico, mas é vingativo! Beijo enorme.)

  11. mau
    29 setembro, 2008

    hey, nem precisava por meu nome na lista ;) o importante é que vcs estão bem e que esta história agora pode ser contada com toda a leveza e bom humor possíveis.

    beijos a todos

    (Resp: Luóugico que precisava, besta! Valeu por jogar videogame com o Luquinhas (e deixá-lo ganhar). Beijo enorme)

  12. 29 setembro, 2008

    Que bom que ta tudo bem agora!!!
    Esse é um super filho mesmo, qdo tiver um quero que seja assim!!!
    Hehehehehehehe

    (Resp: Valeu pela torcida. E vai ter um filho inteligente e sensível que nem o Lu! Beijo)

  13. Marilia
    29 setembro, 2008

    Que bom que no fim deu tudo certo. Você e o Lucas foram lembrados sempre lá em casa.
    Beijos

    (Resp: Obrigada, Marília. Um beijão pra você)

  14. dan
    29 setembro, 2008

    to me descobrindo um mantega derretida, caraleo. e no trampo, isso, pra um homem, não é legal! mas foda-se né. uma história dessas não dá outra. com happy end então…

    (Resp: Desculpa? Hahahahahahaha Espero que você recupere sua moral no trabalho. Valeu, Dan. Beijão)

  15. Renata
    29 setembro, 2008

    “- Nossa, você está muito mais feia hoje do que quando tirou esta foto. O que aconteceu?”

    hahahahahahaha

    Tenho medo só de imaginar essa cena!!!rsrs
    Vc deve ter feito a mesma cara que minha mãe fez quando eu arranquei a peruca de uma senhora q estava sentada na nossa frente no ônibus, qdo era pequena.rs

    Fico muito feliz por tudo ter acabado bem!=D

    (Resp: Tua mãe tentou colocar a peruca da mulher de volta? Isso teria sido pior rs. Beijos e valeu, Rê)

  16. Juju
    29 setembro, 2008

    Viva Lelê!!!! Que bom que já está tudo ótimo!
    Dei férias pra São Jorge depois dessa, ele mereceu.
    Beijos.

    (Resp: São Jorge nunca falha, Juju. Valeu, bonitona. Beijooooooooooo)

  17. Júlio
    29 setembro, 2008

    Figura, mesmo no hospital tentou me tungar no Super Trunfo. E conseguiu, é claro.

    Mas o pulão dele no colo da Amber demonstrou que, apesar do hospital, ele continuava o mesmo menino incrível de sempre. :D

    (Resp: Qualquer um tunga você no Super trunfo. E todo mundo que é teu amigo, é amigo do Luquinhas. O Lucas já a-do-ra a Amber)

  18. Táta (Facul)
    29 setembro, 2008

    Lelê,

    Graças a Deus que o Luquinhas está ótimo! Aliás ele não perde o humor nunca… Fiquei aliviada quando li que ele já tinha saido do hospital… Vibrações positivas para vocês sempre… Mesmo com a distância o carinho é enorme!
    Já disse em outra oportunidade que quero ter 3 filhos e se for como o Luquinhas então… Ficarei eternamente grata…
    Beijocas e tudo de bom para vocês… Saudades… Vamos marcar outro encontro com a turma?

    (Resp: Vamos marcar, Tatá. Vocês tem que agitar também! :P Apesar da distância natural, eu gosto muito de você e das suas amigonas! ;) Beijoca e obrigada pelo carinho de sempre)

  19. MaWá
    29 setembro, 2008

    Eba, eba, eba, que bom que os dois estão ótimos!

    Desejo um monte de massagem pra você e um monte de chocolates-heróis pra ele.

    O chopp, o chopp, ahhh, o chopp. Vou agilizar.

    (Resp: Bora pro chopp. Agora a Lí é minha vizinha-inha-inha. Beijo queridona!)

  20. Elaine
    29 setembro, 2008

    Le,
    Em pensar que quase surtei quando li seu e-mail pro grupo de meninos do Informativo, na segunda. Ainda mais quando me toquei que foi voce que me mandou uma mensagem (contando que o Lucas tinha sido internado) na sexta e eu deletei por não ter reconhecido seu novo numero, por não estar assinada e por ter bebido. Sabia do seu desespero e minha agonia por não estar junto naquele findi foi ainda maior. Amigos são pra todas ás horas, boas ou ruins, é por isso que não podia faltar com vc e com o Lucas. Fala pra ele que tb me diverti muito no hospital. kkkkk

    Obrigada por ser tb minha melhor amiga.

    (Resp: Você é uma querida todas as horas. Obrigada pelo apoio sempre. Um beijo enorme)

  21. gabrielouback
    29 setembro, 2008

    para vc ver como seu filho comove: citou uma porrada de blogueiro, tuítero [“eu sou praianoooo”] e ninguém reclamou de não ter sido linkado. =)

    esse é o teu moleque. que a gente gosta de pensar que é um poquinho nosso também. honra em dizer: sou amigo da mãe do guri mais legal do mundo.

    (Resp: Eu quase linkei todo mundo, mas o Lucas é tão querido que passaria dias fazendo isso. Você também é muito querido, Gá. Beijo enorme)

  22. Ana Lacerda
    29 setembro, 2008

    YUPIIIIIIIIIIIIIIIIIIII!!!!!!!!!
    Viva viva…
    Fico imensamente feliz em saber que as coisas estão indo bem por aí!
    E já contei pra um montão de gente hoje: Ah sabe o Luquinhas?? Aquele que é o menino mais legal do mundo?! Ele já está em casa e aprontando todas!
    E a mãe do menino mais legal do mundo é uma mulher e tanto!!! E segurou uma barra enorme e depois contou tudinho pra gente…

    Bjooooooooos!

    (Resp: Espalha aí para todo mundo que o Lu voltou para nos contar mais histórias divertidas. Obrigada pelo carinho sempre. Beijo grande)

  23. bruninhadidario
    29 setembro, 2008

    Eu imagino a sua cara vendo a delicadeza da “mocinha” ao cuidar do Lucas!!! O bom é que os dois já estão recuperados e agora sua tarefa é transformar a casa numa brinquedoteca! hahahaha

    Beijoooos!

    (Resp: Mais um brinquedo e terei que fazer um puxadinho. Beeeeeeeeeeeeeeeijo)

  24. dona Rose, a vóviska do Lu
    29 setembro, 2008

    O Lucas sempre surpreende mesmo, mas só nós sabemos a agonia q foram esses dias de internação…E ele tirou tudo de letra…Mas tudo isso nos fez ficar mais forte e mais unidos, né mesmo filha? E saber q temos tantos amigos, faz um bem enorme… beijocas com amor

    (Resp: Sempre, cada vez mais unidos. Beijo maior)

  25. Quéren-Hapuque
    29 setembro, 2008

    “Tenho muito orgulho em ser a mãe do menino mais legal do mundo.”

    Comecei a ler seu blog a pouco tempo, por recomendação de uma amiga. Li uns posts do Lucas e só de ler passei a achar ele a pessoa mais legal que existe pelo simples fato de que ele tem a incrível capacidade de ver o lado bom das coisas. Imagino como deve ser conviver com ele todos os dias, deve ser tão incrível como a capacidade dele de enxergar as coisas boas da vida!

    Que bom que tudo terminou bem!

    (Resp: Ele tem mesmo essa capacidade. E faz a nossa vida muito mais feliz. Obrigada, viu? Vou entrar no seu blog depois. Beijão)

  26. Gisele
    29 setembro, 2008

    Nada é por acaso… a força e o fair play com que você lida com a vida e seus problemas… o Lucas tem a quem puxar…
    Abração.

    (Resp: Ei, obrigada. Me deixou feliz. Beijão)

  27. Carol Canossa
    29 setembro, 2008

    Você não perdeu nada do casamento da Sandy estando isolada do mundo – nós, aqui fora do hospital, também não ficamos sabendo nada além de umas duas fotos que ela se dignou a divulgar, hahahahahahaha.

    Força aí e um bjão para vc!

    (Resp: Eu vi as fotos depois. Sem-graaaaaaaaaaaaaça. Beijão, querida)

  28. 30 setembro, 2008

    O bom é que passou, passou…

    Tava todo mundo de coração apertado, agora todo mundo de coração aliviado, esperando a próxima historinha desse moleque gente fina! Beijos,

    (Resp: Passou, amém! Um beijão, querida)

  29. Uli
    30 setembro, 2008

    Ô família de filme, essa sua, hein menina? Ser espirituoso e gente boa tá no sangue?
    Olha, lamentei poucas coisas desde que engravidei e o Theo nasceu, mas uma das mais fortes foi não poder viajar pra SP e conhecer vocês ainda… quem sabe agora, com o pequeno já pra fora de mim, não transformo ele num mochileiro e apareço por aí??
    Que bom que você existe. E que pôs no mundo esse menino tão especial.
    Beijo!

    (Resp: Eba! Vem sim. E vou tentar ir praí também, viu? O nascimento do Theo foi uma notícia muito feliz no meio de toda essa loucura. Um beijo enorme. Que bom que vocês existem também)

  30. Fabricio Vicentim
    30 setembro, 2008

    Que bom que está tudo bem com o Lucas!!! Fico muito feliz!!!!

    Bjos


    (Resp: Beijos pra você também, Fá. Obrigada)

  31. desconjumina
    30 setembro, 2008

    ufaaaaaa!!
    apesar de não conhecer pessoalmente o lucas li o texto com um nó no estômago. Deve ter sido barra!
    ainda bem que já está em casa.
    parabéns pela força e pelo filho.
    beijos

    (Resp: Precisamos marcar um chopp, hein? Como tá a esposa? Beijo, querido. Obrigada pela torcida para o Luquinhas)

  32. BZ
    30 setembro, 2008

    Viva a Lelê! Viva o Luquinhas! Êêêêê!!!

    (Resp: Viva BZ e Viva Alice também!!!!!)

  33. atruculenta
    1 outubro, 2008

    Poxa vida… tadico do Luquinhas! Ainda bem que tudo passou e vc pode blipas músicas do Tarantino!
    É, blog novo… hehe
    ;)

    beijos

    (Resp: Adorei o blog novo. Já vou linkar, truculenta! Beijoooooooooo)

  34. FaBríCiO-Z/S
    3 outubro, 2008

    Sinceramente você é fora do comum.

    Tenho orgulho em poder dizer que sou teu amigo.

    Beijo

  35. Priscila
    7 outubro, 2008

    Leonor,
    Por acaso achei seu blog já faz algum tempo e desde então eu sempre acesso mas nunca deixo comentário. Mas hj precisava, pq apesar de não conhecer o Lucas, é impossível não sentir carinho pelo jeito que vc o descreve. Ele deve ser mesmo muito bacana e fico feliz que esteja td bem!
    E parabéns por conseguir fazer um texto com tanto humor, apesar do drama real.
    bjs

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Informação

Publicado às 29 setembro, 2008 por em Sem categoria e marcado .
%d blogueiros gostam disto: