Eneaotil

Dez

Filho,

Chegamos aos teus 10 anos. DEZ! Essas datas redondas são significativas por algum motivo que não sei bem explicar. Aos 10, você larga a decoração infantil das festas e pede para a sua mãe um bailinho com DJ só porque você quer dançar agarradinho com a menina mais bonita da classe; aos 20, você acorda com um cachorro de rua lambendo a sua boca depois de tomar o maior porre da vida em um bar com seus amigos para se despedir da adolescência; aos 30, você se torna balzaquiano e tem a certeza de que passará o resto da vida solteiro – e termina a noite tomando um porre de vinho com teus amigos e combinando com algum deles que se chegarem aos 40 solteiros, vocês se casam. Aos 40, a vida começa de novo e por aí vai…

E é assim pra todo mundo, filho. A vida não é tão surpreendente em um só aspecto: ela acontece todos os dias, ela não pára pra ninguém, independentemente de qualquer surpresa que possa surgir. Eu já te contei antes, em outras cartas, que você foi uma surpresa, não é? Me pegou de calças curtas, me deixou tonta, suando frio, com medo do futuro, cheia de dúvidas e acho que foi assim com todo mundo. Mas a minha vida nunca parou, Lucas. Você não deixou a minha vida parar um só minuto.

Um dia desses, uma menina que conheceu a nossa história me escreveu para contar que a sua irmã adolescente tinha tido um filho e que andava um pouco triste porque achava que a sua vida tinha parado. Quer dizer, ela tinha essa impressão porque deixou de estudar pra cuidar do filho, não saía mais com os amigos, não namorava mais, não tinha tempo pra cuidar dela mesma, enfim. Aí eu contei pra ela exatamente isso que eu estou te contando: que por mais que a gente não perceba, a vida está rolando, no gerúndio mesmo, o tempo todo. E que filhos, mesmo aos 19 anos, mesmo de uma forma não planejada, não significam renunciar à própria vida, pelo contrário. Significam ter que dar o melhor da sua vida.


Parece um grande livro de auto-ajuda tudo isso, mas quero te contar como tudo rolou pra mim (ou melhor, para nós!) porque no decorrer da tua vida, seja em datas redondas ou não, você vai se deparar com situações que parecem imobilizadoras, mas não são.

Nós sempre fomos de uma família classe média (e #classemédiasofre, filho!): sua avó deixou de trabalhar para cuidar de mim e do seu tio quando nascemos e vivemos a vida toda com o salário de jornalista do seu avô, que nunca foi grandescoisa (embora nunca tenha nos faltado nada). Estudamos em escolas públicas, mas sempre moramos em um bairro legal de São Paulo. Fui andar de avião pela primeira vez aos 23 anos, acho, mas nunca deixamos de viajar nas férias, mesmo que tenha sido o mesmo destino todo ano: Olímpia, cidadezinha no interior de São Paulo para onde você ama ir.

Enfim, filho, quando eu engravidei de você aos 18 anos, já tinha terminado o colegial e estava sem estudar há algum tempo porque não tínhamos a menor condição de pagar uma faculdade. Eu trabalhava em uma creche como auxiliar de escritório das 7h às 17h e ganhava R$ 400 por mês. Naquela época, R$ 400 era o equivalente a R$ 400, ou seja, uma miséria. E aí, eu engravidei. Quer dizer, que perspectiva eu tinha de criar você com R$ 400, trabalhando o dia inteiro e sem a menor chance de crescer profissionalmente sem ter feito uma faculdade?

A situação parecia imobilizadora e desesperadora e é por isso o suadouro, o medo, as incertezas. Eu andava com uma cara de “E agora?” pra cima e pra baixo, mas uma das primeiras coisas que eu ouvi de seus avós quando contei que estava grávida foi:

– Agora você vai estudar.

E eles me disseram que ficariam contigo enquanto eu estivesse na faculdade e eu teria todo o tempo que fosse preciso para tentar arrumar as coisas. A vida te dá esse tempo, filho, mas você tem que fazer a sua parte. E meu tempo era curto. Quando você tem um filho, você pisca e ele já anda, você pisca de novo e ele já fala, você pisca mais uma vez e ele te pede uma playboy de aniversário!

Aí eu olhei a lista de universidades que estavam com vestibular aberto, me inscrevi em alguns e fui fazer a prova. Em uma delas, na que me formei jornalista, o vestibular foi um dia antes do seu nascimento. Um dia! Eu fui enorme, mais grávida impossível, com você pesando 4,100 kg dentro de mim, com mais uns 4 kg de placenta, água e blá blá blá.

Era um domingo chuvoso, me lembro bem. Fui a única (ou uma das únicas) a poder subir de elevador porque meu local para fazer a prova era láááááááááá no último andar. Eu parecia uma astronauta andando na lua, parecia uma velhinha de 100 anos andando devargazinho, mas com cara de moleca. Todo mundo na rua me olhava como se eu fosse uma extraterrestre quando estava grávida de você.

Quando eu cheguei à sala, avisei aos fiscais da prova que a minha cesariana estava marcada para o dia seguinte e passei o telefone do seu pai, dos seus avós, do seu tio, para qualquer emergência, caso eu entrasse em trabalho de parto naquele momento. Acontece, filho, principalmente quando as mulheres ficam muito nervosas e um vestibular costuma deixar as pessoas nervosas. Mas eu não fiquei em momento algum. Todo aquele meu nervosismo do começo já tinha passado porque eu sabia que a vida me daria todas as horas que eu precisasse pra te fazer um menino feliz.

Fiz a prova, voltei pra casa e no dia seguinte fui pra maternidade. Você nasceu e dois dias depois eu soube que tinha errado somente quatro questões de 80, tirei 10 na redação e era a 15ª colocada em 15 mil pessoas que tinham prestado o vestibular. Ok, a prova tinha sido fácil, é verdade, mas eu sequer me lembro de uma questão que caiu: minha cabeça estava em você o tempo todo.

Seus avós ficaram contigo todas as noites que eu precisei para poder estudar, ir ao bar e aprender a jogar sinuca em algumas aulas chatas, fazer melhores amigos, conhecer outro tanto de gente, namorar. Mas não é só isso que é viver, não é mesmo? Viver é um conjunto de coisas e a principal delas me esperava em casa quando eu saía, me acordava no meio da noite e me colocava em movimento o dia inteiro. Você sempre me impulsionou a seguir em frente.

De lá pra cá, filho, eu consegui um financiamento estudantil para pagar a faculdade (e terminei de pagar só esse ano), me formei jornalista, arranjei dois estágios ao mesmo tempo, muitos freelas, fui efetivada em todos os lugares pelos quais passei, nunca fiquei um dia só sem emprego. Sustento, junto com seu tio, seus avós, que cuidam de você todos os dias, desde o primeiro.

Você estuda em uma boa escola que eu posso pagar com a ajuda do seu pai, fez kung fu (e vai voltar, né?), fez natação (e enjoou, né?), fez escolinha de futebol (e era um desastre, né?), escolhe onde comer de vez em quando, vai em quase todos os jogos do Corinthians, viajou de avião pela primeira vez com 6 anos de idade e vai pra Disney no fim do ano. Tua vida é boa demais como a minha sempre foi e sou feliz por poder (por podermos, no plural) te proporcionar isso.

Aos 10 anos, Lu, não é cedo pra te ensinar que no decorrer de toda a sua vida, você vai se deparar com situações difíceis, muito difíceis. Que às vezes vai suar frio, se desesperar, chorar escondido. Vai ter insônia, vai ter muitas dúvidas. Mas existem respostas para todas elas. Basta você ter se cercado, a vida inteira, de gente que te move, que te impulsiona, que te faz caminhar em frente. De gente que não te atrasa, que não te imobiliza, que não te joga pra baixo. Olhe pro lado, Lucas, e veja a família que você tem, olhe para os seus amigos. São eles que vão te dar uma porção de respostas, mas é preciso que você queira buscá-las, uma por uma. Até que surja na tua vida alguém tão absurdamente importante quanto você é pra mim. E vai surgir, e vai ser maravilhoso!

Enquanto isso, estou sempre aqui. Nas datas redondas e quadradas. Desejando que a vida te traga todas as certezas que um dia você quiser encontrar.

Te amo muito.

Feliz aniversário.

Mamãe.

90 comentários em “Dez

  1. Mari
    10 novembro, 2011

    Ah, Lelê… :~

    Que orgulho poder te chamar de amiga. Sua família é das coisas mais lindas que já conheci até hoje.

  2. Erika Lima
    10 novembro, 2011

    Leonor e a arte de fazer outras mães chorarem no meio do expediente pela declaração de amor mais linda os últimos tempos.
    Sabe, eu também fui mãe aos 19, também chorei, também tive imensas dúvidas, também fiz prova um dia antes da filha nascer (a segunda, no caso) e, principalmente, tive medo de ver minha vida estacionada, até pq a maioria das pessoa dizia que ia ser assim.
    Mas como você disse, os filhos nos impulsionam a ser mais e mais, a buscar fazer o que for de melhor para eles, a ser dura quando necessário.
    Ahhh Luquinhas, sua mãe é sensacional e sabe enxergar a beleza da maternidade e transmitir isso em palavras como mais ninguém. No seu aniversário eu te dou os parabéns pela sua mãe.

  3. Consuelo Zurlo
    10 novembro, 2011

    Que lindo !!

  4. Aline Cortes
    10 novembro, 2011

    Acho melhor não falar nada por enquanto. Parabéns (adiantado, né?) pra esse menino-moço lindo!

  5. karol vicentin
    10 novembro, 2011

    nossa chorei…lindo!
    parabéns p/ os dois!!!
    beijos

  6. Laura
    10 novembro, 2011

    lindas palavras, Lele, linda a história e linda sua relação com o Lucas. que vocês sejam sempre muito felizes. parabéns pra todos. beijos.

  7. Ândi
    10 novembro, 2011

    Caramba, já faz um ano que eu li o “Nove”?

    Se pra mim esses 12 meses passaram rápidos, imagine pra você esses 10 anos.. :)

    Parabéns Lucas, já sem diminutivos. E parabéns mãe mais legal do mundo (depois da minha).

  8. Manuella
    10 novembro, 2011

    sem palavras. Emocionante a tua historia. Exemplo de mãe, de aluna, de humanidade.
    Eu nem sei o que comentar, na verdade.. Eu to pensativa. Pois tenho 18 anos. E nao, nao estou gravida. Kkk mas, é lindo. Tudo se supera nao é verdade?. Um beijo e feliz aniversário Lu.

  9. Helô
    10 novembro, 2011

    Ai, ai….

  10. Paula
    10 novembro, 2011

    Leonor, seus posts sempre me encantam – especialmente os que envolvem sua história e a do Lucas. São inspiradores!

  11. Beatriz Levischi
    10 novembro, 2011

    Há dez anos eu digo que sinto orgulho de fazer parte desta história. E espero continuar dizendo por mais 90. S2

  12. MaWá
    10 novembro, 2011

    Lucas, parabéns pelo seu aniversário e por ter uma mãe assim!

  13. Patê Bruni
    10 novembro, 2011

    nem é preciso comentar
    vc já disse tudo :)

  14. Ivan De Falchi Júnior
    10 novembro, 2011

    Feliz Aniversário, Lucas!!!
    Felicidade para você e para toda essa família que tanto o ama. Histórias como a sua emocionam, tocam fundo…
    Parabéns!!! Seja muito feliz…

  15. .mila
    10 novembro, 2011

    Chorar no trabalho não é legal … mas é lindo poder sentir isso lendo um texto seu.

    Parabéns ao Lucas, que tem pessoas maravilhosas ao redor dele.
    Que as conquistas, obstáculos e sorrisos, estejam sempre presente na vida dele.

    Beijo!

  16. Caroline Mancini
    10 novembro, 2011

    Lelê faz a gente chorar com os aniversários do Lucas há alguns ano, né?
    Muita saúde, paz e alegria pra esse moço e abraço apertado nessa mãezona incrível!

  17. dona Rose
    10 novembro, 2011

    Chorei bastante qdo vc me pediu pra ler em primeira mão este texto homenagem.Amor nunca é piegas, filha!Amar, ter o coração fora do peito pelo(s) filho(s) não é pigas, nunca.Me emociono sempre qdo penso em tudo q já vivemos, q já passamos.E hj vemos, nosso Lucas, lindo.Um mocinho…Parabéns pra vc, filhota! Por vc ser a guerreira q vc é!Parabéns, Lucas.Vc é muito amado..Amo vc, muito e sempre!Vc,Lu, sua mãe, seu tio são os meus maiores amores, pra todo o sempre!

  18. Fabi Cassim
    10 novembro, 2011

    Mais uma vez vc me emociona.
    Parabéns pelo lindo texto e pelas experiências de vida do filhote.
    Sou sua fã.
    Bjs,
    Fabi

  19. Edi Fortini
    10 novembro, 2011

    Sempre me emociono com esses posts. Parabéns pro Lucas!

  20. aline marangoni
    10 novembro, 2011

    o lucas sempre me emociona. fui obrigada a chorar, né…

  21. Raquel Merisse
    10 novembro, 2011

    Seu post foi recomendado por uma amiga. Vim aqui olhar sem pretensão alguma. Me deparei com essa declaração e já peço desculpas de antemão se eu me estender demais no comentário, mas preciso escrever.
    Todas as suas palavras são verdadeiras, cada uma delas, e não digo isso pelo fato de você amar mais que sua própria vida essa criaturinha inteligente e bela que é teu filho. Não. Experimentar essas alegrias e dificuldades é para todos nós, sendo mães, filhos, netos, amigos, parentes ou indigentes.
    Estou em um momento da minha existência que me deparo com essa dificuldade. Essa situação de que achamos que não temos forças, do desespero de “será que vai dar”, “será que vou conseguir” e daquele famoso “o dinheiro não vai dar”. E eu sou muito orgulhosa, então pra pedir ajuda pra alguém é bem difícil. Mas o que a gente não faz por amor, não é?
    E o seu texto, bom…ele só veio me confirmar algo que já estava dentro de mim há algum tempo. Tem pessoas que a gente não precisa exatamente pedir ajuda, né? Elas só vem. E nos fazem ir em frente. Não deixam que a gente pare, fazem com que a gente continue tocando o barco (mesmo quando nossa vontade é tão somente pular dele e desistir).
    Família é algo incrível. Mágico. Poderoso. Divino. E não falo apenas de pai e mãe (e no meu caso, irmão), mas também daquela família que pudemos escolher nessa terra: nossos amigos. Esse conjunto de pessoas são para nós um porto seguro, uma válvula de escape, um farol na escuridão.
    Sua declaração me fez chorar da maneira como eu precisava, porque me mostrou que eu vou passar por isso. E que “isso” vai passar por mim. E que todos que estão ao meu redor vão segurar as pontas comigo enquanto o “isso” estiver acontecendo. E que eu posso me soltar, posso confiar neles e posso confiar em mim mesma. Vai acabar. E vai começar tudo de novo, um dia. A vida é assim, não é?
    Obrigada por me trazer respostas. Suas palavras mudaram meu dia (e, quiçá, minha vida).
    Parabéns ao pequeno! Que ele seja muito feliz e que saiba que família é algo com que ele pode contar SEMPRE.
    Um grande abraço!
    Raquel

  22. Eliana Frazão
    10 novembro, 2011

    Vc tem a capacidade de escrever exatamente o que se sente. Fui mãe aos 18 anos e tbm tinha acabado de concluir o EM e essa história de ser mãe me arrasou. Mas assim como vc =, a vida me mostrou que é possível se continuar vivendo, planejando, executando mesmo com uma criança inundando seus dias.
    Parabéns pelo texto. Parabéns para o seu filho.

  23. Fernando Souza Jr.
    10 novembro, 2011

    Puta merda, sou pai de 2 meninos, homem barbado, advogado, e me pego com lágrimas nos olhos ao ler seu texto, no meio do expediente. Como fazer? A gente vai ficando mais velho e cada vez mais bundão… parabéns, achei comovente e muito bonito o que vc escreveu para o filho, principalmente pelo fato de não tentar dramatizar nem esconder nada. É assim que tento criar meus meninos também.
    Bom, é isso. Meu nome é Fernando, sou corinthiano, te sigo no twitter e compartilho da opinião do tal Tico Santa Cruz: te acho a maior gatinha.

  24. anarina
    10 novembro, 2011

    Lelê, amo todos vocês.

  25. manu barew (@manubarem)
    10 novembro, 2011

    Lindo texto, Lelê. É tão bom ver que tudo é real e rico entre vocês. Admiro teu jeito com o Lucas e a família toda. Parabéns pelo filho maravilhoso, só podia ser seu mesmo <3

  26. she
    10 novembro, 2011

    Lelê!!! Arrasou!!!Muitos beijos pra voce e pro Lucas. Parabéns para os dois também!! Afinal quando um filho faz aniversário, a mãe também precisa ser parabenizada!!

  27. Débora Shinohara
    10 novembro, 2011

    Nossa, Leonor, que texto maravilhoso. Parabéns pra vc e pro Lucas.

  28. Rafael Matias
    10 novembro, 2011

    PQP. Sem palavras. Parabéns :)

  29. Maricota
    10 novembro, 2011

    Lu, deixa eu ser filha da sua mãe uns dias, só pra receber cartas lindas como estas e saber o quanto soou importante? hehehe vc é um menino especial demais…
    e saber da sua história, (pergunte a sua mãe), me deu forças pra hoje ter o meu Andrezinho!
    Eu amo vocês!!! demais!

  30. Eduardo
    10 novembro, 2011

    Texto lindo Lelê!
    Parabéns pro Lucas, pra ti, e pra tua família, vocês são inspiradores.
    Beijo

  31. Cosme Magalhães
    10 novembro, 2011

    Obrigado por me dar uma dose de emoção no almoço, bonito demais.

  32. marta gucciardi
    10 novembro, 2011

    Você tem toda razão; se a vida nos move, filho nos impulsiona. Tantas vezes quis só afundar a cabeça no travesseiro e não olhar pra ninguém, mas aí vem aquela coisinha pulando do seu lado, todo feliz porque o ‘neymar vai ficar no santos’ ou qualquer coisa assim. Vem o grandão dizendo que quer ir no cinema sozinho pela primeira vez! E você lembra que a vida tá acontecendo a todo momento, e se continuar deitada com a cabeça no travesseiro corre o risco de perder grandes histórias. Adorei seu texto.

  33. Lica Maria
    10 novembro, 2011

    Lindo, lindo, acho que leio as histórias do Lucas desde que ele aprendeu a falar, já me emocionei muito, fiquei rindo feito besta para o computador do escritório muitas vezes e tenho orgulho de dizer que tivemos uma gata em casa chamada Miréula por causa de uma das histórias dele.
    Feliz aniversário para o Lucas e muitas alegrias para os Macedo, vocês merecem.

  34. Ronise Vilela
    10 novembro, 2011

    E sua eterna habilidade de escrever coisas certas, na hora certa, para pessoas certas. Parabéns! :)

  35. Camila Maldonado
    10 novembro, 2011

    Leonor, se ouvir falar de algum diluvio ocorrido no sul de Minas, saiba que a culpa é toda sua!!!! To chorando( e sempre choro) horrores com suas cartas de aniversário…. Vamos pro Sertão do Nordeste? Vc me faz chorar e eu inundo tudo lá…. beijos a vc e a lindíssimo Lucas…
    p.s.: tbém sou mãe, de uma menina lindíssima de 5 aninhos….

  36. MarianaMSDias
    10 novembro, 2011

    É… os 10 anos que nos separam em idade nos proporcionaram filhos da mesma idade. O Felipe completou seus 10 no dia 30 de agosto. Tendo nascido um mês antes do previsto. Ele teve pressa. A vida parece ter…

    A pressa deles em crescer nos atordoa e nos dá vontade de sempre querer segurar a vida um pouquinho. Mas e não é que quanto mais crescem, melhores ficam?

    Eu viajei na semana passada, e voltei ontem. Antes de ler este seu texto tinha me esticado, olhado o tempo lá fora e agradecido o fato de estar de volta em casa e ter ganho o melhor dos abraços ao chegar em casa ontem: o dele.

    A vida se movimenta, os amigos são nosso apoio, nosso alento e muitas das nossas experiências. A família é nosso chão, nosso parâmetro, nossa segurança. Nossos 10 anos de diferença são praticamente nada quando nos damos conta que, afinal, são ELES que nos impulsionam adiante!

    Parabéns, Lelê, pelo texto lindo (as usual), pela família linda, pelo astral delicioso que você tem e, sim, pelo filho MARAVILHOSO que você construiu!

    Bjs e felicidades a todos!

  37. bruna farias
    10 novembro, 2011

    lindo, parabéns lucas!!

  38. Thais Louzada
    10 novembro, 2011

    Como sempre você emociona…Parabéns ao Luquinhas e a família linda que você tem… Que orgulho que deve ser ter você como mãe… Você é simplesmente demais… Beijos e saudades…

  39. Luiz com Z
    10 novembro, 2011

    Leonor,
    Só preciso te dizer que Lucas contracenando com Help! e Rubber Soul devidamente remasterizados do jeito que eu esperei por duas décadas foi golpe muito, muito baixo.
    Melhor impossível. Meus pés ficaram até dormentes. Tô quase suando no teclado. Se o dito movimento feminista tivesse 10% de integrantes com a metade da sua sensibilidade, viveríamos noutro mundo. E se os escritores de auto-ajuda, como você citou, tivesse um pentelhésimo da sua sinceridade e habilidade verbal, jamais seria um estigma escrever coisas que melhoram o ânimo, os tais spirit-boosters, enfim, o contrário do que rola por aí, principalmente da sua geração pra baixo.
    Da minha parte te garanto que quanto mais te leio, mais fico com vontade de melhorar tudo da minha geração pra frente. Bless you.
    Beijo grande do
    Luiz.

  40. Michelle Farias
    10 novembro, 2011

    Que lindo!!!queria receber umas cartinhas assim também!!!!

  41. kelcogliatti
    10 novembro, 2011

    Sabe o q é mais engraçado? Eu não sou mãe ainda, mas graças a Deus a minha tem um amor assim do tamanho do seu. E me emocionei com o texto, porque me vi no lugar do seu filho. PARABÉNS,Lucas!! Mts anos de flicidads p vcs, só n desejo o melhor p o seu time pq como boa vascaína, n posso! ;)

  42. carolina
    10 novembro, 2011

    Um dos textos mais lindos que eu já li. Fora esse, só o que a mamãe me deixou num cartão na maternidade o dia em que nasci.. :)

  43. ThiagoFC
    10 novembro, 2011

    Eu não li o texto todo, mas vi as fotos. Se você está criando seu filho para ser corinthiano e ouvir rock n’ roll: parabéns, o mundo precisa de mais mães como você!

  44. Camila
    10 novembro, 2011

    Como a @anarina disse no Twitter, você faz a gente chorar todo ano com suas homenagens! Parabéns ao Lucas e a você, Leonor!

  45. Bruna
    10 novembro, 2011

    É tão bom ler o que tu escreve…Por egoísmo te pediria pra escrever com mais frequencia, mas, talvez seja exatamente por essa razão que fico tão feliz quando vejo uma postagem nova.
    Obrigada

  46. Angélica Cordeiro
    10 novembro, 2011

    Tô no trabalho e me segurando pra não chorar! Também engravidei aos 18 e fui mãe aos 19, graças a Deus com todo o apoio dos meus pais, hoje meu filho tem 2 anos e 8 meses, é a coisa mais importante da minha vida! Está de parabéns, sua família é linda e muito, muito, muito abençoada!

  47. Bonilha
    10 novembro, 2011

    Lindo Lelê, o orgulho que o Luquinhas deve ter em ser seu filho não deve caber no universo (ou em uma penteadeira, sei lá qual é o maior de todos). ;)

  48. dona Rose
    10 novembro, 2011

    obrigado mamãe,eu te amoooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooo muitooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooo!!!!!

  49. lLucas
    10 novembro, 2011

    mamãe,eu cimentei no nome da vovó.Desculpa.
    beijos

  50. Marcos
    10 novembro, 2011

    Porra meu, pára com isso…

    Parabéns Luquinhas, sua mãe é DEZ!

  51. Camila Santana
    10 novembro, 2011

    Todo ano, na mesma data, eu choro! TODO ANO!

    Parabéns, Lucas. Que você e a sua família continue sendo sempre assim e passando essa emoção pra gente. Ano após ano. E que você permita que a gente possa acompanhar um pouquinho de você, dos seus 9, 10, 11, 12… até a idade que a sua mãe decidir escrever e compartilhar. Que eu vou seguir chorando todo ano.

    E que um dia eu possa passar isso pros meus filhos, que eu consiga transmitir toda a emoção do nascimento deles até a data de mais um aniversário.

    E parabéns pra você, Leonor. Por ter um filho como o Lucas, por compartilhar suas emoções com a gente e nos permitir esse momento de carinho. Tudo isso me faz lembrar os textos que minha mãe também escrevia pra mim. E continua escrevendo… e é tão bom me sentir uma filha amada.

    Beijos!

  52. Mônikita
    10 novembro, 2011

    Grande Luquinhas …. que São Jorge te ilumine sempre e que vc continue esse, agora rapazinho de 10 anos, assim: lindo, humilde, corinthiano, inteligente.

    Lelê grandes muheres criam grandes homens.

    Parabéns pra vc tb que têm muito valor como Mãe dedicada que é.

    Bjooo

    VAI SCCP!

  53. t4yra
    10 novembro, 2011

    Incrível como a cada ano seus textos conseguem ficar mais tocantes. Isso é a prova concreta do quanto você cresceu e aprendeu com o Lucas. Por isso que eu sou apaixonada por todos os Martin Macedo – pessoas que só servem como espelho e que serão o melhor espelho que o Lucas poderia sonhar.

    Parabéns, Lu! Mais uma vez…

    PS: Tô louca, ou o niver do Lu é dia 12? =D

  54. Rô Siqueira
    10 novembro, 2011

    Lindo texto, Lê! Parabéns, como sempre! Feliz Niver, Lucas!

  55. Teu pai Fausto José de Macedo
    10 novembro, 2011

    Para variar estou chorando! Para variar você me emociona como sempre!Só pra variar amo o Lucas como Jesus disse para amar alguém! Para variar amo minha família mais do que nunca! Para variar vocês todos me estimulam a viver, ir em frente como você fez com o Lucas! Só pra variar eu te amo muito mais do que te vi pela primeira vez na maternidade Modelo como uma tartaruguinha de tanto enrugadinha! Teu pai, que um dia te disse para salvar aquela criança que seria o Lucas -acima de qualquer indignação possivel pela gravidez solteira. Teu pai e tua mãe que começaram este sonho todo que apesar de sermos classe média que sofre muito e é algumas vezes chamados de vagabundos por reacionários baratos. Mas isso já é outra história que fica para uma outra vez, como dizia o Julio Gouveia na antiga TV Tupi nos anos 50 na primeira versão do Sítio do Pica-Pau Amarelo. Aliás introduza Lobato para seu filho. Disso você não pode se esquecer de jeito nenhum.

  56. Juliana Salles
    10 novembro, 2011

    Mais uma vez vc me faz chorar com seus posts. Que carta linda, Leonor. O Lucas tem muita sorte de ter uma mãe como vc e de ter uma família tão bonita, unida e amorosa como vocês parecer ser.
    Muitas felicidades pro Luquinhas.
    Bjos

  57. Paula Alves
    10 novembro, 2011

    Me emocionei, de verdade, mãe que sou.
    Parabéns pro Lucas e pra ti também que pelo pouco que li (mentira, revirei teu blog todo!) é uma excelente mãe.
    Abraço.

  58. A. Almeida
    10 novembro, 2011

    Garoto, vc é um presente, pra essa mulher tão poderosa.
    Agora de verdade, é um texto emocionante, senti minha maternidade…
    Parabéns!!!!

  59. Ilana
    10 novembro, 2011

    Me emocionei. De novo. A cada carta que vc escreve pro Lucas eu me emociono mais.
    Parabéns ao Lucas pelo aniversário de 10 anos. Parabéns a você pela mãe que é, e pela forma linda como transforma sentimentos em palavras.

  60. Thaís
    10 novembro, 2011

    Não sei se chorei mais com a sua carta ou com o comentário do seu pai…
    Lindo demais!
    Parabéns pra vcs!

  61. Budau
    10 novembro, 2011

    Parabêns lelê pelas palavras! Só agora sei o que é amar alguém mais do que a si próprio! E vc demonstra isso em seus textos como ninguém! Saiba q suas inseguranças no inicio são as mesmas que eu senti quando o Miguel apareceu em minha vida, mesmo estando mais maduro, estabilizado e digamos preparado! O desafio para criar e sobretudo amar , é o mesmo! Em fases distintas, mas sempre será o mesmo!
    Parabéns ao Lucas e você!!! Gde bjo

  62. Juliana Antela
    10 novembro, 2011

    Uau. Poucos textos são capazes de me comoverem, mas esse… deu um nó na garganta, um choro abafado. Linda declaração de amor. Parabéns aos dois!

  63. Thayná Rodrigues
    11 novembro, 2011

    Lindo, emocionante… não só o texto quanto sua história e dedicação!

  64. claumartin
    11 novembro, 2011

    Querida, você é uma pessoa com muitos talentos. Escrever é um deles. Viver é outro. Sempre admirei sua coragem, bom humor e sensibilidade diante da vida e das “dificuldades” que ela trouxe. Dificuldades que impulsionaram sua carreira, família e vivência. Se Luquinhas (meu afilhado que vale ouro) é Dez, você também é. Uma mãe Dez. Uma prima Dez. Um ser humano Dez. Você também está de parabéns. Com amor. Cláu

  65. Renata
    11 novembro, 2011

    Você é ótima!!sempre leio seus textos aqui, está de parabéns, escreve muitíssimo bem. Vai chegar longe!

    parabéns e grande beijo para você e para seu lindo filhote!

  66. Barbara Amorim
    11 novembro, 2011

    Conheci o blog hoje, e só vou dar uma pausa na leitura porque preciso almoçar.

    Seu blog é ótimo, seu filho um fofo, e a história de vocês linda!
    Beijo.

  67. Thais Furtado Ferreira
    11 novembro, 2011

    Olha…a gente precisa trabalhar viu…não dá pra ficar chorando no meio do expediente…mas vc força a barra né…
    Lindo! mais lindo ainda por ser verdadeiro!
    Bj, Thá – madrasta.

  68. Dante Zanini
    11 novembro, 2011

    Tive sensações muito parecidas com as suas quando soube do Felipe. Estava um pouco mais adiantado, já tinha entrado na faculdade, já ganhava um pouco mais do que R$ 400,00…mas as incertezas eram semelhantes. Como seria ser pai? Encarar de frente esta situação foi muito difícil, mas assim como vc tive uma família maravilhosa que me apoio e me ajudou muito, minhas irmãs cuidando e meu pai me dando uma força que acabou tudo indo e acontecendo (como vc mencionou, no gerúndio…rss.) e agora cá estamos, Felipe fazendo 7 anos em breve e crescendo bem e feliz. Beijos amiga e parabéns pro filhote.

  69. Le, fiquei muito emocionada com essa declaração de amor!
    Parabéns por essa família linda!!!
    Bjs

  70. Ana
    12 novembro, 2011

    Descobri nessa semana que estou grávida. Não sou tão mocinha como você era quando engravidou, mas também estou cheia de dúvidas e medos.

    Você não imagina a força que o teu texto me deu.

    Te agradeço por ele, e te devolvo a ternura e o alento que me trouxe, aqui com meus bons pensamentos. Pra você e pra tua linda família.

    Continue em frente, seu texto certamente me ajudou a continuar.

    O maior e mais quentinho abraço,

  71. Rafaella Soares
    12 novembro, 2011

    Demais! <3

  72. Denise
    12 novembro, 2011

    Sensacional! De uma delicadeza e sensibilidade incrível!
    Parabéns! Pra você mulher de fibra e por sua linda obra!

  73. Juliana Giopatoli
    12 novembro, 2011

    to chorando aqui hahaha lindo!

  74. SuH Rocha
    12 novembro, 2011

    Parabéns ao Lucas!
    Lindo texto

  75. Aquela Camile
    12 novembro, 2011

    Acabo de sair da sala de aula com lágrimas nos olhos.

    Que lindos vocês dois! <3

    E Feliz Aniversário ao Lucas!

  76. jardel lopes
    12 novembro, 2011

    realmente… estimula continuar caminhando e construindo sempre prá frente. Que bom.

  77. Willian Rodrigues
    12 novembro, 2011

    Sem palavras para um texto lindo e emocionante como esse!
    Parabéns ao Lucas pelo Aniversario e parabéns a autora pelo lindo depoimento!
    Abraço e sucesso!

  78. CRYS - MAMÃE DA BEATRIZ - ANA CAPRI
    12 novembro, 2011

    Nossa Lele, não canso de ler e reler esse texto e cada vez que leio, eu me emociono mais e mais. Simplesmente vc é um exemplo de mãe em todos os sentidos…. PARABÉNSSSS QUERIDA, VC É UMA GRANDE MULHER.

  79. Flávia Eloá
    13 novembro, 2011

    Eu tinha 22 quando tive a minha pequena e pensava comigo mesma…-Depois dos 4 meses de “licença”, vou estudar, trabalhar e vou dar o melhor pra Anna. Aí descobri a cardiopatia, passei com ela 8 meses e 3 dias dentro de um hospital, desses 8 meses e 3 dias, mais ou menos 7 meses dentro da UTI. Mesmo assim, dois anos atrás eu voltei pra SP e agora, depois de 6 anos vou me formar instrumentadora cirúrgica. Te digo, de mãe pra mãe, algumas coisas acontecem pra que vc veja o quanto gosta de algo e não sabia. Me senti como vc, em nenhum momento pensei que minha vida ficaria estagnada; sofri, chorei muito, tive muito medo de perder minha filha nesse tempo todo de altos e baixos, mas sempre pensando: amanhã vai ser um dia bom =)

  80. Flávia Eloá
    13 novembro, 2011

    Ah, Luquinhas, Parabéns, não queria dizer, mas os escorpianos são os melhores =D

  81. Cecilia
    13 novembro, 2011

    Foi uma das declarações mais incríveis que li. Parabéns, ao Lucas e a vc.

  82. Isadora
    13 novembro, 2011

    Linda, lindos! Parabéns por essa família incrível. Parabéns por cada pedacinho construído com esforço, amor e sorrisos.

    E o Lucas é um partidão, hein, com esses cds dos beatles?

  83. Henrique Rojas
    16 novembro, 2011

    Eu ainda não sou pai.
    Também não sou corintiano.
    Mas sou de classe média, também trabalho com comunicação e espero que quando meu filho vier ao mundo, eu possa escrever coisas tão sinceras e belas a ele.

    Parabéns =)

  84. dontforgot
    21 novembro, 2011

    Sua relação com o Lucas me emociona, principalmente pela forma como você a coloca nos textos.

    Parabéns, Lê.

    Daniele Torres – amiga da Thaís Pacheco, sua fã! haha.

    P.S: Me manda seu e-mail, não consigo acessar o link aqui do blog pq não uso outlook.

    Beijos

  85. Lucas
    22 novembro, 2011

    Como sempre um delicioso texto.
    Sempre me identifico com os textos do Lucas, porque além de compartilharmos o nome, também compartilhamos o tipo de mãe guerreira, solteira, carinhosa e apaixonada.
    Parabéns pela luta, pelo filhão e pelo Coringão!!
    Tudo de melhor para vocês!

  86. Farion
    30 novembro, 2011

    Voce ja deve ter ouvido isso muita vezes, mas devo confirmar: voce eh foda! =)

    To longe de casa. Ver voce falar do seu irmao me faz sentir saudades da minha irma, que tambem dormia com o chule na minha cara quando eramos pequenos, que tambem foi embora pro RJ um dia, voltou com duas crias pra casa pra gente tomar conta. Ver voce falar do Lucas me faz sentir saudades do meu irmao mais novo, que se chama Lucas. Ver voce falar do Corinthians me faz lembrar… do Corinthians! Putaquepariu, como eh ruim sofrer da saudade de tudo isso aqui de longe. E como eh ruim gritar “eh campeao”, sozinho, por 2 minutos, sem ter ninguem pra abracar, e nem pra socar depois de saber que esse grito so pode sair de verdade dali uma semana. Soquei a parede, a cama, o travesseiro e bati no peito orgulhoso mil vezes.

    Enfim, “e por falar na saudade”, tenho saudade de tudo isso e gosto do que voce escreve. Nostalgia.

    Um abraco.

  87. Silvia Mota
    5 dezembro, 2011

    Se um dia eu for mãe solteira quero ser igual a você hahahahahahaha.

  88. Charlinho
    7 dezembro, 2011

    Lindo texto Leonor….FODA…INCRIVEL.

    Te acompanho desde 2007 e não me canso de vir aqui,e de ler tudo o que escreve.

    Parabens ao Lucas e obrigado por compartilhar a sua felicidade com a gente…e nunca nos abandone com seus textos lindos e belos.

  89. Maíra Ramos
    20 janeiro, 2012

    Nossa, que lindo presente de aniversario! O Lucas deve se orgulhar da mãe (e da família) que tem. Que nunca falte alegria na vida de vocês, nem motivos para comemorar!

  90. Ana Paula Pereira
    12 novembro, 2014

    Não fui mãe adolescente, pelo contrario fui mãe aos 30, mas me indentifiquei muito e mesmo não estando grávida, assim espero, no momento desatei a chorar.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Informação

Publicado às 10 novembro, 2011 por em Sem categoria e marcado .
%d blogueiros gostam disto: